top of page

DU ROMPA

HAMMOND TRIO

Soul jazz, música brasileira e psicodelias ao orgão hammond.

Fundado em 2018 com álbum lançado em vinil (Sol e poeira - 2021 - Blue Crawfish Records) já em vias de lançar o segundo álbum, o trio que esteve com suas músicas autorais em palcos principais de festivais como o internacional Chorando Sem Parar (SP), o Fundinho Jazz Festival (MG), Águas Jazz Festival, Sescs, casas de cultura, shows gravados através de editais públicos como ProAC, Lei Aldir Blanc e afins, incía a temporada de pré lançamento do seu segundo álbum, "O Beijo da Serpente".

Tendo o orgão hammond como elemento central e influenciado pelo soul jazz, tropicália, acid jazz, rock progressivo/ psicodélico e música brasileira em geral, o trio já circula com o pré lançamento seu 2º álbum autoral, "O Beijo da Serpente" e com os Tributos à Dr. Lonnie Smith e Medeski, Martin & Wood.

O show ganha um caráter
roteirizado e conceitual já que o álbum foi
criado a partir de um enredo pautado em
arquétipos planetários como Marte, que é
o Deus da guerra, ou Saturno, que é o
arquétipo das profundezas, aliado à mitos
e lendas de diversos povos, etnias e
espiritualidades, que resultaram na saga
da Serpente Cronos que encarna no corpo
de Tupã para viver uma experiência
humana na Terra de modo a materializar
uma flor (Vitória Régia) como símbolo do
amor deixado. O enredo acontece de
forma instrumental com narrativas
poéticas entre as músicas.

 

O programa é recheado de
nuances sonoras possibilitadas pelas
peculiaridades do mítico órgão
Hammond, numa pegada entre soul jazz e
música brasileira cheia de ambientes psicodélicos e até imagéticos e sinestésicos. A música “Ondas de
Olokun” por exemplo, com a qual abrimos o show, é inaugurada com berimbaus e caxixís numa alusão
à peçonha da serpente e segue com uma atmosfera aquosa, inclusive com o uso do “Udu” (vaso sonoro)
criando assim as características das profundezas das águas típicas do Mito citado e do planeta Saturno.

bottom of page